quinta-feira, 3 de agosto de 2017

REDE DE COMUNICAÇÃO DO POLICIAL

POLICIA PADRÃO / BA - Base Comunitária de Segurança/Santa Cruz leva criançada para assistir filmes no Sesc

Consciência e construção de valores foram as palavras-chave hoje(3) para a criançada da comunidade Santa Cruz. A Base Comunitária de Segurança local através do projeto 'Com a polícia vamos ao cinema' levou 107 alunos da Escola Municipal Teodoro Sampaio para amostra dos curtas-metragens 'Fonte de Renda' e 'Arroz com Feijão', no auditório do Serviço Social do Comércio (Sesc).

Os filmes retratam a realidade de comunidades periféricas e as possibilidades de caminhos do bem, que podem inspirar os jovens do bairro. Segundo a comandante da BCS/Santa Cruz, capitã PM Sheila Barbosa, o foco do projeto é provocar um pensamento crítico sobre a relação entre polícia e comunidade fazendo uma discussão após a exposição.

Capitã Sheila ainda ressalta a importância de ativar o senso de responsabilidade na segurança pública, destacando que as crianças têm o poder de mudar a realidade de onde vivem, contribuindo com a polícia e evitando seguir exemplos que tiram a paz.

Ensinamos que quando o profissional de segurança tem uma postura antiética, eles não só podem, como devem, denunciar. Por isso ensinamos durante o debate também o papel da Ouvidoria Geral do Estado”, explicou a capitã.


O projeto 'Com a polícia vamos ao cinema' é uma adaptação do “A escola vai ao cinema' que começou no Sesc com objetivo voltado para transformação dos indivíduos por meio de informação, capacitação e desenvolvimento de valores.

O orientador social do Sesc, Fernando Ribeiro, contou que através desse projeto eles oferecem capacitação de alunos e professores na linguagem audiovisual e sua leitura. “A imagem é o centro de processos de comunicação, construção de valores e identidade e são essenciais na educação informal”, pontuou.

A estudante Isabel dos Santos, 11 anos, disse gostar bastante da exposição dos filmes e que aprendeu muito com a discussão. A garota relatou que quer ser policial para proteger sua família. “Meu pai morreu sem ter nada a ver com uma disputa de tráfico no meu bairro, não quero que isso aconteça com o restante de minha família”, finalizou emocionada.

ASCOM SSP BA

REDE DE COMUNICAÇÃO DO POLICIAL

Escrito por REDE DE COMUNICAÇÃO DO POLICIAL